Sábado, 5 de Julho de 2008

Era chanfrado mas não era parvo!

O historiador José Barreto, baseado num texto inédito de Fernando Pessoa, afirma que o poeta encarava Fátima como o lugar mítico da construção do nacionalismo católico e monárquico que ele repudiava. Acrescenta que "é um texto irónico, a roçar a sátira anticlerical, em que Pessoa parece regressar ao extremismo da juventude".

Cada vez mais me convenço que, apesar de toda aquela postura "ligeiramente" esquizofrénica do Pessoa e heterónimos, o homem não era nada parvo e topou a Fátima a léguas. Se ainda fosse vivo, de certezinha que falava do futebol.

Agora reparem só na coincidência (à qual alguns chamariam milagre): as tags deste post são 3 Fs. A bonecatenebrosa escreve direito por linhas tortas (e às vezes fala de si na terceira pessoa, como o Ricardo).

publicado por bonecatenebrosa às 10:12
link do post | comentar | favorito
Domingo, 1 de Julho de 2007

Momento cultural

"Bem sei que tudo é natural

Mas ainda tenho coração...

Bom noite e merda!...

 

(Estala, meu coração!)

(Merda para a humanidade inteira!)

 

Na casa da mãe do filho que foi atropelado,

Tudo ri, tudo brinca.

E há um grande ruído de buzinas sem conta a lembrar

Quem tem filhos atropeláveis!

Como tudo se esquece quando há dinheiro.

Bebé igual a X.

Receberam a compensação:

Bebé igual a X!

Gozam o X neste momento,

Comem e bebem o bebé morto,

Bravo! São gente!

Bravo! São a humanidade!

Bravo: são todos os pais e todas as mães!

 

O bebé morreu, mas o que existe são dez contos.

Isso, dez contos.

Pode fazer-se muito (pobre bebé) com dez contos.

Pagar muitas dívidas (bebésito querido)

Com dez contos.

Pôr muita coisa em ordem

(Lindo bebé que morreste) com dez contos.

Bem se sabe que é triste

(Dez contos)

Uma criancinha nossa atropelada

(Dez contos)

Mas a visão da casa remodelada

(Dez contos)

De um lar reconstituído

(Dez contos)

Faz esquecer muitas coisas (como o choramos!)

Dez contos!

Parece que /foi por/ Deus que se

(Com dez contos)

Pobre bebé trucidado!

Dez contos.

 

Com isso se forrou a papel uma casa.

Com isso se pagou a última prestação da mobília.

Coitadito do bebé.

Mas, se não tivesse morrido por atropelamento, que seria das contas?

Sim, era amado.

Sim, era querido.

Mas morreu.

Paciência, morreu!

Que pena, morreu!

Mas deixou o com que pagar contas

E isso é qualquer coisa.

(É claro que foi uma desgraça)

Mas agora pagaram-se as contas.

(É claro que aquele pobre corpinho ficou triturado)

Mas agora, ao menos, não se deve na mercearia.

(É pena sim, mas há sempre um alívio.)"

 

Álvaro de Campos

publicado por bonecatenebrosa às 13:50
link do post | comentar | favorito

.Eu, eu e mais eu

.Perdidos e achados

 

.Novembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
16
20
22
25
26
29
30

.Posts saídos do forno

. Era chanfrado mas não era...

. Momento cultural

.Posts já maduros

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds

.Visitas

Counter
Free Counter

.Agora estão cá quantos?

online

.Eu vim de longe...

.Para onde vos mando