Sexta-feira, 7 de Novembro de 2008

6.ª Sobrenatural - "As represálias da defunta Amélie"

"Na família Nantais, passado o período em que os defuntos são ornamentados com todas as virtudes, começou-se a dizer mal da defunta avó Amélie.

«Ah, que pobre ingénua, acreditava em sonhos, em fantasmas, em intervenções do Além! 'Papava' tudo: escrita automática, a valsa das mesas, as casas assombradas. Não é dizer mal dela, mas na verdade era muito estúpida!»

Foi então que um espelho rachou. Os que troçavam, falaram das vibrações provocadas pelos camiões que passavam pela rua estreita e continuaram a dizer mal da Vovó Nantais.

Na vez seguinte, foi uma jarra de cristal que se dividiu em duas metades simétricas.

- Felizmente, estava vazia - disse um dos netos. - De qualquer maneira, já devia estar rachado.

- Rachado como a tia Amélie - disse um sobrinho.

Atrás dele, o vidro de um armário estilhaçou-se.

- Se ela estivesse aqui, veria nisto um sinal - continuou ele, imperturbável.

- De qualquer modo, é curioso - disse uma prima, que não se sentia muito à vontade. - É sempre quando se fala dela que estas coisas acontecem.

- Pura coincidência! - decretou o neto.

A quarta vez foi a última. Durante uma refeição da família, recordava-se o espelho rachado, a jarra quebrada, o vidro estilhaçado, todas aquelas manifestações que surgiam sempre que se denegria a avó Amélie.

Alguns estavam abalados e começavam a acreditar no descontentamento da desaparecida.

- Qual história! - exclamou o sobrinho. - A Vovó, ou o que dela resta, está no fundo da cova e de lá não pode sair. Todos os mortos estão bem mortos, a começar por ela.

Nisto, o grande espelho pendurado em cima da lareira estilhaçou-se em toda a superfície e caiu com estrondo em mil pedaços.

Tratava-se de um aviso no sentido material do termo."

 

A premonição e o nosso destino

Jean Prieur

 

Ponto 1 - A velhota é uma cusca que morre mas tem de continuar a chatear os outros

Ponto 2 - Aquela família não tem mais o que fazer do que dizer mal da velha

Ponto 3 - Quando morrer outro familiar, só por via das dúvidas, é melhor aquela família espetar-lhe uma estaca no coração, dar-lhe um tiro com uma bala de prata, encher-lhe a boca com alho, deitar-lhe sal em cima, decapitá-lo, incendiar o corpo e enterrar a cabeça junto a resíduos radioactivos. Pode ser que fique bem morto e não volte para chatear.

publicado por bonecatenebrosa às 22:55
link do post | comentar | favorito

.Eu, eu e mais eu

.Perdidos e achados

 

.Novembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
16
20
22
25
26
29
30

.Posts saídos do forno

. 6.ª Sobrenatural - "O euc...

. O fundo pode descer um po...

. Acto de terrorismo

. Duas questões para reflec...

. 6.ª Sobrenatural - "Levit...

. A solução para os problem...

. Dá-me o computador!

. Olha a novidade...

. Já não me metia com eles ...

. 6.ª Sobrenatural - "Quand...

.Posts já maduros

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds

.Para onde vos mando