Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2007

6.ª Sobrenatural - "A maldição dos faraós"

"No ano de 1352 a.C., no Egipto, teve lugar a morte de um faraó de apenas 18 anos, Tutankhamon. O seu corpo mumificado foi colocado num túmulo em Luxor , rodeado por espantosos tesouros. Os sumos sacerdotes teceram sortilégios para o proteger para sempre, inscrevendo um aviso nas pedras do túmulo: «A morte irá ao encontro dos que perturbarem o sono dos faraós.»

Uma expedição dirigida pelo arqueólogo Howard Carter e pelo egiptólogo Lorde Carnaveron penetrou no túmulo em 1923. Tinham ambos conhecimento da maldição que protegera tão eficientemente as jóias e relíquias do túmulo contra os ladrões. Lorde Carnaveron chegara até ao extremo de consultar um místico e vários médiuns antes de partir de Inglaterra, e todos eles o aconselharam a não abrir o túmulo.

Lorde Carnaveron morria menos de dois meses depois, com 57 anos de idade, com o rosto marcado por cicatrizes, por ter sido picado por um mosquito infectado. No momento da sua morte, que teve lugar no Hotel Continental, no Cairo, no dia 5 de Abril de 1923, a electricidade da cidade falhou. Simultaneamente, na sua casa de Inglaterra, um cão fiel começou a uivar e morreu.

Dois dias depois, quando examinavam o corpo de Tutankhamon, descobriram-lhe na face esquerda uma marca idêntica à de Lorde Carnaveron .

Contudo, tudo isto teria sido considerado uma coincidência se não se tivesse verificado uma cadeia de mortes misteriosas. O arqueólogo Arthur Mace, outro membro da expedição, entrou em coma no Hotel Continental e acabou por morrer sem que os médicos tivessem sido capazes de diagnosticar a sua doença.

George Gould , um amigo íntimo de Lorde Carnaveron , deslocou-se ao Egipto, espreitou o túmulo... e morreu dois dias depois.

O radiologista Arquibald Reid , que examinara o corpo do faraó, morreu pouco depois de se queixar de cansaço, tal como aconteceu com o secretário pessoal de Carnaveron , Richard Bethel . A lista de casualidades, tanto na expedição como nos que estavam com ela relacionados, aumentou de uma maneira alarmante. Em 1936 já cerca de 33 pessoas tinham morrido repentinamente, incluindo o meio-irmão de Carnaveron , que cometeu suicídio durante um período de loucura temporária.

Mohammed Ibrahim , director das antiguidades do Egipto, foi atropelado e morreu em 1966, logo depois do governo ter concordado em enviar os tesouros do túmulo para Paris, para uma exposição.

Em 1969, Richard Adamson era o único membro sobrevivente da expedição de 1923 Howard Carter morrera de causas naturais em 1939). Continuava a dizer que a maldição não passava de conversa fiada... mas mudou de opinião quando a sua esposa morreu um dia após ter denunciado publicamente a maldição, e do seu filho partir a espinha pouco depois de Adamson a ter ridicularizado pela segunda vez.

Ken Parkinson, o engenheiro de voo, sofreu todos os anos um ataque de coração no aniversário do voo ao Egipto, até ao ataque fatal em 1978. O tenente-piloto Rick Laurie morrera de um ataque de coração dois anos antes. Outro membro da tripulação perdeu a casa num incêndio, um segundo sofreu dois ataques de coração e um terceiro deixou a RAF por causa das suas doenças.

Já em 1992, a equipa de um documentário da BBC que fez filmagens no interior do túmulo foi atingida por todo um catálogo de desgraças. Dois dos seus membros morreram quando o elevador do hotel se esmagou no solo de uma altura de 21 andares. Durante as filmagens, as luzes fundiram-se no interior do túmulo, deixando a aterrorizada equipa na escuridão. Depois de terem reconstituído um ritual pretensamente destinado a despertar os mortos, levantou-se uma tempestade de areia que os deixou a todos com conjuntivites.

Em 1949, o cientista Louis Bulgarini escreveu: «É definitivamente possível que os antigos egípcios utilizassem radiações atómicas para protecção dos seus lugares sagrados. Os pavimentos dos túmulos podem ter sido cobertos com urânio, ou terem sido acabados com rochas radioactivas. No Egipto eram extraídas rochas contendo ouro e urânio e uma tal radiação ainda hoje poderia matar um homem.»

A sua teoria teve uma confirmação em 1991 quando o cientista egípcio Sayedd Mohammed Thebat , da Universidade do Cairo, visitou as múmias de um museu levando consigo um contador Geiger . Afirmou: «Podemos ter descoberto finalmente as causas para as mortes inexplicáveis de tantas pessoas que foram as primeiras a penetrar em túmulos que ainda se encontravam encerrados.»".

 

Karen Farrington

História do sobrenatural

 

Nunca ouvi dizer que a radioactividade fosse responsável por picadas de mosquitos, pela morte das esposas das pessoas expostas e por os filhos partirem a espinha. Também não me lembro de situações em que as pessoas expostas a radioactividade façam cair elevadores ou causem tempestades de areia, mas tudo bem. Sim, eu acredito na maldição do faraó, porque perdi o texto da primeira vez que o escrevi aqui e tive de o escrever todo de novo!

De qualquer modo, está explicado porque é que os americanos não querem que se faça enriquecimento de urânio no Irão. É para quando invadirem aquele território à procura de petróleo armas de destruição em massa, não serem atingidos por "maldições".

publicado por bonecatenebrosa às 20:49
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De katano a 29 de Dezembro de 2007 às 13:03
E esta história toda de múmias e maldiçoes distrai o povo daquilo que é realmente um milagre: um cão que uiva quando o dono morre!!! É um canideo psiquico!!! será que ele me vê a sina por 2 euros?...
De bonecatenebrosa a 29 de Dezembro de 2007 às 13:41
Não sei se reparaste que o cão também morreu quando o dono morreu.
Já vais um bocado tarde para lhe pedires que te leia a sina... Mas talvez com uma sessão espírita.
De planiciemetalica a 7 de Janeiro de 2008 às 11:11
Eu tenho uma teoria melhor que a da radiação: fungos.

Ao fim de tanto tempo, num túmulo impermeável à luz e ao ar, desenvolveram-se uns bolorzitos simpáticos que mandaram muitos esporos para o ar. O pessoal que lá entrou respirou-os e ficou com a pele e a roupa coberta deles para dar alguns à família e aos amigos. Assim, surgiram vários problemas, de doenças cardíacas a infecções cutâneas, passando por tonturas que distraiam as pessoas quando iam a atravessar a estrada.

Quanto ao cão... Como podemos nós saber ao certo o que os animais sentem ou pressentem?
De bonecatenebrosa a 7 de Janeiro de 2008 às 15:40
Não deixes que a vaidade te suba à cabeça, mas essa teoria dos "bolorzitos simpáticos" é digna de uma epifania do Dr. House. Daquelas que ele tem entre um vicodin e outro.

Comentar post

.Eu, eu e mais eu

.Perdidos e achados

 

.Novembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
16
20
22
25
26
29
30

.Posts saídos do forno

. 6.ª Sobrenatural - "O euc...

. O fundo pode descer um po...

. Acto de terrorismo

. Duas questões para reflec...

. 6.ª Sobrenatural - "Levit...

. A solução para os problem...

. Dá-me o computador!

. Olha a novidade...

. Já não me metia com eles ...

. 6.ª Sobrenatural - "Quand...

.Posts já maduros

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds

.Visitas

Counter
Free Counter

.Agora estão cá quantos?

online

.Eu vim de longe...

.Para onde vos mando