Terça-feira, 11 de Dezembro de 2007

É por uma boa causa

Ao que parece, um padre do concelho de Barcelos quer que os crentes lhe paguem um dia do salário mensal, deixando de ministrar os sacramentos a quem não o fizer e aplicando multas àqueles que se atrasarem a efectuar os pagamentos.

A população passou-se! Alguns dizem que há reformados que passam fome e não têm luz eléctrica. Outros têm medo que as criancinhas fiquem por baptizar e os mortos por enterrar.

E agora pergunto eu: haverá aqui alguma dificuldade no estabelecimento de prioridades? E respondo: sim!

Primeiro quero chamar a atenção para uma coisa: não vão nas conversas dos padres. Não caiam na esparrela de eles dizerem que conhecem a palavra de deus porque a palavra de deus é ambígua como o caraças. Mesmo que não fosse, tanto quanto me lembro da catequese (sim, tempos amargos), quando deus quer mesmo falar com alguém, não precisa de mensageiros nem de intérpretes, vai lá e fala. Dizem que fez isso a um gajo quando ele andava pelo deserto e a outro num monte...

De qualquer modo, daquilo que percebo, deus não exige um dízimo para si porque se auto-intitula dono de tudo o que existe, mas recomenda o pagamento de dízimos a funcionários, sacerdotes, pobres, viúvas e órfãos. Ora, isto engloba praticamente toda a população portuguesa, com excepção de políticos, o Belmiro de Azevedo e o Jardim Gonçalves. Assim sendo, também eu posso andar aí pelas ruas a pedir o dízimo. A questão que se põe é: será alguém suficientemente estúpido para mo pagar?

Portanto, a meu ver, o padre pode pedir e ameaçar o que quiser. Quem tiver fome, mande-o passear e vá comprar comida. Quem quiser baptizar o bebé, mande-o passear e vá ao rio fazer como João Baptista (que não era padre porque na época ainda não havia padres) e quem quiser ser enterrado (ideia interessante) ou enterrar o seu familiar defunto (convém que assim esteja), faça-o de forma não religiosa. Agora, por via das dúvidas, não deixem o padre chegar-se perto das criancinhas, não vá ele querer que lhe paguem em géneros aquilo que não for pago em euros...

publicado por bonecatenebrosa às 12:32
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Maria a 12 de Dezembro de 2007 às 12:15
ODEIO PADRE! O outro odiava pobre e eu é mais padres!! Não serão todos, logicamente, mas há por aí parco de aldeia perdida nos montes que, rodeado de uma legião de analfabetos e gente aparvalhada, faz o que quer! É o retrato do Portugal real!
De bonecatenebrosa a 14 de Dezembro de 2007 às 20:47
Tens toda a razão no que dizes, mas deixo-te uma sugestão: não odeies os padres porque é um desperdício de energia para ti e a eles não faz diferença nenhuma. Faz como eu e goza com eles porque, ao menos, pode ser que consigas deixar algum lixado.

Comentar post

.Eu, eu e mais eu

.Perdidos e achados

 

.Novembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
16
20
22
25
26
29
30

.Posts saídos do forno

. 6.ª Sobrenatural - "O euc...

. O fundo pode descer um po...

. Acto de terrorismo

. Duas questões para reflec...

. 6.ª Sobrenatural - "Levit...

. A solução para os problem...

. Dá-me o computador!

. Olha a novidade...

. Já não me metia com eles ...

. 6.ª Sobrenatural - "Quand...

.Posts já maduros

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds

.Visitas

Counter
Free Counter

.Agora estão cá quantos?

online

.Eu vim de longe...

.Para onde vos mando